Projecção de imagem

 DataShow   
Permite a projecção de slides ou vídeos transmitidos pelo micro, tornando-se, assim, uma excelente ferramenta para fazer apresentações de aulas e palestras, que devem ser criadas em programas especiais, como, por exemplo, o Microsoft Power Point. Entretanto, o Data Show é um aparelho caro. Uma opção mais viável é ligar o micro a uma televisão grande, usando um conversor digital/analógico, assim, os slides e as imagens enviadas pelo micro aparecerão na tela da televisão.

  Guia de instalação e utilização do DataShow

O DataShow é um periférico de saída, ou seja, um aparelho que permite a saída de dados de um computador. Assim, com este aparelho ligado ao seu computador poderá exibir a informação presente no monitor desse computador, projectando-a num ecrã de projecção (ou mesmo na parede), recorrendo, como é óbvio, ao retroprojector.

Quando o professor pretender exemplificar o funcionamento de determinado programa (por exemplo o Photoshop) ou quando pretende mostrar uma apresentação electrónica (conjunto de slides construídos, por exemplo, no Powerpoint), este é sem dúvida um aparelho indispensável. Considero mesmo essencial existir, no mínimo, em cada sala de aula, um computador, um retroprojector e um DataShow.

O esquema de ligação da aparelhagem pode ser visto da seguinte forma:

Computador -----> DataShow + Retroprojector ------> Ecrã de projecção

CPU Telecomando

Monitor

Rato

Para o correcto funcionamento do DataShow será necessário:

  Certificar-se de que está ligado antes de ligar o retroprojector.

  Usá-lo por períodos de tempo não muito longos, visto que este aquece demasiado.

Ter cuidado no seu transporte pois é muito sensível.

Para efectuar as ligações do DataShow ao computador é necessário:

  Ligar o DataShow.

  Verificar o seu funcionamento e posicionamento sobre o retroprojector de forma que os seus botões de comando fiquem acessíveis (existem modelos com um telecomando).

  Para ligar o aparelho ao monitor do computador, desligue o cabo "computador-monitor" e ligue aí o cabo marcado com LCD.

  Para efectuar a ligação do DataShow ao CPU do computador, use o cabo onde exista o símbolo de um computador.

Conforme o tipo de computador (PC/MAC) os cabos podem ser diferentes.  Na compra deste aparelho certifique-se que lhe são fornecidos os seguintes elementos:

  Manual do utilizador.

  Transformador/alimentador.

  Cabos (9 ou 15 pinos).

  Software.

  Acessório para controlo remoto (telecomando).                        

 

Alguns problemas podem surgir na utilização do DataShow. Os aparelhos mais modernos possuem um sistema de menus razoavelmente fáceis. Em seguida enunciam-se alguns problemas que podem surgir e propostas de algumas soluções:

  Nada aparece no ecrã: verifique as alimentações e os níveis de contraste.

  As cores ou texto não são projectados: ajuste o controlo da cor e o contraste.

  A imagem não está centrada no ecrã: use os botões de posicionamento (vertical e horizontal).

  Só é projectado um padrão de teste: verifique as ligações à porta vídeo do computador.

  A imagem está desfocada: verifique o manípulo de ajuste do retroprojector.

 

Refira-se finalmente que deverá limpar periodicamente o seu DataShow (o display e o filtro, geralmente colocado na parte frontal).

 

 Alternativa barata ao DataShow 

Uma nova geração de equipamentos alternativa aos tradicionais DataShow chegou. É a linha PixelView VD Show, que permite a executivos e profissionais mostrar em televisores ou telões apresentações multimédia de alta resolução, produzidas em PC's ou notebooks. Lançado pela Prolink Microsystems Corp, o VD Show destaca-se por realizar todas as funções de um DataShow com as vantagens de ser cinco vezes mais leve, ter o preço muito mais acessível e,  por possuir controle remoto capaz de executar todas as tarefas à distância.


O novo VD Show pesa 500 gramas e o seu preço total de venda equivale ao aluguer de um dia de um DataShow. Segundo o gerente da Prolink do Brasil, Alex Pereira  que o aparelho é ideal para executivos que realizam apresentações nos centros de treinamento, feiras, auditórios ou mesmo nos grupos de trabalho. "Por ser práctico e leve o VD Show permite ao executivo transportá-lo dentro de uma mala juntamente com o notebook. Ele foi especialmente desenvolvido para profissionais ".O VD Show oferece alta definição de imagens nas apresentações multimédia, atingindo resoluções  até 1152x864.

Tecnologia - O PixelView VD Show funciona como um projector de imagens, não é maior do que uma cassete de vídeo, desenvolvido com a mais actual tecnologia. O aparelho é capaz de passar para uma televisão, para um telão ou para uma cassete de vídeo, uma apresentação que está armazenada no micro-computador. Esta transmissão de um aparelho para outro é feita graças às saídas de Vídeo Composto (RCA) e S-Vídeo e à entrada VGA disponíveis no produto e em notebooks, PC’s e Macs, que converte o sinal VGA para TVs, VCRs, telões etc.

Na opinião de Pereira, a utilização de projectores multimédia juntos aos computadores tornou-se uma das principais ferramentas de produtividade. "Ao lançar este produto, pensando principalmente nos executivos que utilizam a apresentação como ferramenta de seu trabalho e que precisam de uma solução barata e portátil. O VD Show é uma alternativa aos pesados DataShows. 
O VD Show utiliza a última tecnologia em resistores anti-flicker, que consiste em proporcionar uma visualização clara em televisões. Outra vantagem do novo produto é que ele garante uma ampla compatibilidade com quase todos os tipos de equipamentos portáteis, computadores de mesa, estações de trabalho e computadores de pequeno e médio porte, inclusive Macintosh. 

Outra característica interessante encontrada no VD Show é a possibilidade de se utilizar simultaneamente a televisão e o computador no momento em que está acontecendo a apresentação, característica fundamental para uma maior interactividade. 

Além de apresentações, o VD Show pode ser usado também para transmitir para uma televisão ou para um telão, filmes, jogos e todo tipo de imagens que proporcionariam ao telespectador maior impacto em grandes telas do que em computadores. O produto possui vários controles que permitem ajustar o tamanho, posição e qualidade da imagem e ainda congelar e ampliar uma região da tela.

Para facilitar a vida do usuário na hora da instalação, o produto é acompanhado da fonte de alimentação, cabos de conexão, manual do usuário e um controle remoto que reproduz a maioria das funções disponíveis no gabinete do conversor. Isto  permite a exibição em locais amplos, onde por exemplo, o apresentador precisa movimentar-se no auditório. 

Segundo o gerente da Prolink, o VD Show veio para complementar a linha PixelView de placas de captura de imagem. "A nossa ideia é oferecer aos usuários soluções completas para os seus trabalhos. Por este motivo estamos lançando gradativamente uma linha de produtos que permite ao usuário realizar desde a captura de uma imagem até a sua edição",

  Tecnologias de Imagem

A informática veio ajudar o homem em muitos campos da sua vida pessoal e profissional. As potencialidades dos computadores crescem à medida que estes vão sendo cada vez mais poderosos e acessíveis.

No ambiente profissional, é muitas vezes necessário saber transmitir informações de uma forma rigorosa e clara. As Tecnologias de informação vieram dar uma ajuda e hoje em dia muitas das apresentações de diapositivos que dominam as reuniões de negócios são feitas através de Software específico (como por exemplo o Powerpoint).

Apesar deste tipo de Software dar uma grande ajuda nesta tarefa, as pequenas dimensões do ecrã do monitor de um computador vieram a limitar a sua potencialidade. Criaram-se assim alguns aparelhos que permitiram ver a informação (que antes aparecia no monitor) projectados numa parede ou tela. Surgiram assim Tecnologias de comunicação. 

Os dois dispositivos mais usados nesta tarefa são:

  O DataShow
  O projector multimédia


Um DataShow é um aparelho simples de projecção de imagem. Como não tem fonte de luz própria para projecção, precisa de ser usado com um retroprojector. A figura seguinte pretende ilustrar esse processo: 

 

 

Vantagens  Desvantagens  
Barato    Operam apenas com baixas resoluções gráficas (640x480)  
   Necessidade de retroprojector  

   

Um projector multimédia é um aparelho mais completo de projecção de imagem. Tem já uma fonte de luz própria para projecção, dispensando assim o uso de um retroprojector. A figura seguinte pretende ilustrar esse processo:

 

·        

·       

Vantagens

    Desvantagens

     Operam com resoluções gráficas altas (800x600 e maiores)  

 Caros  

      Não necessita de retroprojector  

Quando se compra um destes aparelhos, deve-se ter sempre em atenção a resolução máxima suportada por estes! A qualidade de uma apresentação em Powerpoint feita num monitor a uma resolução de 800x600 píxeis pode ser completamente degradada quando é vista numa projecção a 640x480 píxeis!

 

 

Como é que tudo funciona?

Para ligar um aparelho eléctrico correctamente são necessários, em grande maioria dos casos, apenas dois cabos:

  O cabo da alimentação eléctrica

  O cabo de sinal / “dados”

 

Atente-se ao exemplo mais conhecido: a televisão:

 

 

Além do cabo de alimentação (sempre necessário) é necessário um cabo que leve os “dados” à televisão (ou seja, a emissão televisiva). Esse cabo deve ser ligado à antena pois é esta que recebe os sinais de televisão.

 Para a informática, tudo é semelhante. Vejamos quais os cabos que o monitor precisa e a forma como devem ser ligados:

 

Com efeito, além da alimentação, o monitor precisa de recolher os dados à fonte, ou seja o computador. O cabo de dados liga-se a uma “tomada” na parte de trás da torre do computador que faz parte da placa gráfica.

 Outro exemplo também muito comum:

 

 

É claro que a impressora terá uma “tomada” própria na parte de trás da torre do computador e não a placa gráfica. A placa gráfica serve para ligar qualquer aparelho que apresente a informação com aspecto gráfico: ou seja, o monitor, o datashow e o projector multimédia!!!

 Desta forma, a ligação de um projector multimédia/datashow é simples: o cabo de dados do projector multimédia ou datashow deve ser conectado à tomada da placa gráfica (onde está inserido o cabo de dados do monitor).

 

Outros exemplos didácticos:

 

 

Se quiser projectar um vídeo:

 

O que é que distingue um 'bom' projector... ?

À primeira vista todos os projectores podem parecer iguais e, para quem não quer perder tempo, o melhor projector nem sempre é "o mais barato!". Lá diz o ditado... e o barato pode realmente sair caro, sobretudo quando se trata de investir em equipamento que pode afectar a qualidade da sua imagem (ou da sua empresa). 

Pode dizer-se que o "melhor projector" é aquele que mais se adequar às suas necessidades de uso, e por regra, são três as características a ter em conta no uso de um projector:

  Portabilidade vs. Utilização fixa:  Onde importa conhecer o peso de um projector e se o mesmo é realmente práctico para transportar e instalar (por exemplo: se inclui mala de transporte, ou se precisa de cabos extra, etc.). 

  A intensidade de luz no local de utilização do projector: Se o local onde efectuamos apresentações  está exposto à luz do dia ou se esta não pode ser controlada eficazmente, o brilho de um projector (usualmente medido em ANSI lumens) é um dado importante para se conseguir uma projecção de qualidade.

  Natureza das apresentações a efectuar com o projector: Se vamos projectar vídeo ou dados (ter em conta as entradas disponíveis no projector); se vamos necessitar de monitor auxiliar (confirmar existência de saída para monitor auxiliar); se vamos projectar em salas pequenas ou grandes (ver a dimensão máxima da diagonal de projecção e possibilidade de zoom); o grau de conhecimentos técnicos do utilizador do projector (comprovar a facilidade de uso e existência de funções programáveis); apresentação em grande auditório (confirmar a existência de lâmpada auxiliar) ou em sala de reuniões (comando à distância); intensidade de utilização (confirmar o grau de duração da lâmpada e facilidade de assistência técnica); e por fim, o tipo de informação a projectar e a qualidade de vídeo necessária (onde importa  o nível de resolução suportado pelo projector: VGA, SVGA, XGA o brilho ou o tipo de tecnologia de projecção utilizada LCD ou DLP). 

Enfim, o número de variáveis a ter em conta na escolha de um projector é praticamente ilimitado. Acima estão indicados alguns aspectos que nos parecem essenciais a ter em conta na aquisição de um 'bom' projector, ou seja, o projector mais adequado ao modo como vai ser

O que é a luminosidade de um projector?


O mercado de projectores multimedia oferece uma ampla variedade de modelos com distantes níveis de brilho ou luminosidade. Em igualdade de outros factores, quanto mais brilho tem um projector mais caro se torna. A regra para conseguir um nível de brilho ideal é: "consiga o projector com mais luminosidade dentro do orçamento que tem para gastar".

Existem 4 aspectos importantes para avaliar a luminosidade como critério de compra num projector multimedia:

Qual a lotação (em número de pessoas) que tem a sala onde vai utilizar o projector? Esta variável condiciona a dimensão da imagem projectada que é necessária para ser vista por todos os presentes. Quanto maior a lotação da sala, maior a dimensão de imagem a projectar e, como tal, mais brilho será necessário para compensar a perca de qualidade de imagem, dado que a luz é dispersa por uma área de projecção maior.

Qual a luz que existe na sala de projecção? Uma sala sem luz natural proporciona uma imagem de maior qualidade que uma sala com luz do dia, sobretudo se esta não puder ser controlada. Por regra, quanto maior a quantidade de luz natural na sala, mais brilho deverá ter o projector.

Qual o tipo de ecrã de projecção que vai utilizar? O ecrã de projecção tem um impacto critico na qualidade de imagem projectada. Na maior parte dos casos, uma superfície optimizada para projectores multimedia é difícil de encontrar. Alguns ecrãs disponíveis no mercado, pretendem atenuar o efeito de perca de brilho de um projector, através da concavidade, mas o efeito estético na sala pode ficar comprometido e, por vezes, tornam a imagem demasiado brilhante! O ideal será utilizar ecrãs que não comprometam a estética da sala e que melhorem a qualidade de projecção de qualquer tipo de projector (de alto ou baixo brilho). Se a parede é o local de projecção, então o projector deverá ter máximo brilho, dado que esta é geralmente uma superfície pouco reflectora.

Qual o tipo de uso do projector? Se este é usado para o ensino ou para a formação, então o nível de detalhe da imagem é importante e um projector de elevado brilho é recomendado. Se o projector não tem uma sala de utilização fixa, considere que pode ter de o utilizar nas piores condições de luz natural, e nesse caso quanto mais brilhante for o seu projector, melhor.

O brilho de um projector é medido em ANSI lumens. ANSI é a abreviatura de American National Standards Institute e este padrão de medida, amplamente usado pela industria, indica o grau de luminosidade da imagem. Quanto maior este indicador maior o brilho de um projector:

Menos de 1000 lumens - São os projectores de mais baixo preço no mercado. Podem ser usados em salas com pouca luz natural ou onde o controlo de luz natural é extenso, podendo ser reduzido para melhorar a qualidade de imagem.

De 1000 a 2000 lumens - Este é o nível de luminosidade mais usual nos dias de hoje. Os projectores com este brilho são adequados para a utilização normal em sala de reuniões e ou sala de aula, sem que seja necessário escurecer totalmente a sala para obter uma projecção de qualidade.

De 2000 a 3000 lumens – Este nível representa o topo da classe de projectores portáteis ou semi-portáteis. Os projectores neste nível de luminosidade são indicados para grandes salas de reuniões ou pequenos auditórios, e são praticamente imunes à luz natural, sobretudo se utilizados com ecrã de projecção.

De 3000 lumens para cima - Os projectores ultra-brilhantes são os mais caros do mercado e podem ser utilizados para apresentações em grandes auditórios, salas de actos, tribunais, concertos e espectáculos.

O que é a resolução de um projector

A nitidez e claridade da imagem de um projector é determinada pela sua resolução. Resolução é simplesmente o número de "pixels" (do inglês: "picture elements") que o projector utiliza para criar uma imagem. Quanto maior o número de pixels mais alta a resolução do projector.

A resolução é normalmente referenciada com duas coordenadas, tais como "800 x 600", nas quais o primeiro elemento indica o número de pixels na horizontal, e o segundo refere o número de pixels na vertical.

As opções de resolução são as seguintes: 

  SVGA, ou "800 x 600" 
  XGA, or "1,024 x 768"
  SXGA, or "1,280 x 1,024" 
  UXGA, or "1,600 x 1,200" 

A vantagem de um projector com  resolução elevada (por exemplo, XGA) é a de oferecer uma imagem com mais detalhe, comparativamente a um projector com mais baixa resolução (por exemplo, SVGA). Além disso, como a imagem é produzida por um número mais elevado de pixels, cada pixel é mais pequeno e, como tal, menos visível no ecrã. 

A vantagem de um projector com resolução mais baixa é a de produzir uma imagem tão ou mais brilhante que um projector de alta resolução, mas por um preço bastante inferior. A não ser que exista realmente uma necessidade de apresentar imagens com grande detalhe, um projector de baixa resolução é sempre mais indicado, já que apresenta uma melhor relação custo/benefício.

 

voltar ao índice